Seguidores

maio 23, 2007

O PRINCÍPE


O PRINCÍPE, por Eluza barros

No primeiro dia da primavera ele chegou.
Chegou com as flores e o tímido brilho do sol.
Chegou de mansinho, sem ruídos,
sem fazer alarme,
assim como costuma fazer até hoje.
Se ali o tempo congelasse
não teria tido dores no meu caminho,
porque nem dores ele trouxe consigo,
somente alegrias.
Minha busca, meu ideal, meu sonho,
estava concretizado,
só não poderia supor que
com a primavera
nascia um príncipe
e que ela o me trazia por suas mãos.
O Príncipe surgia com tanta beleza
e tantas riquezas pessoais
descobertas à medida dos anos
que só poderíamos imaginar em lordes refinados
com os quais fantasiamos a vida inteira.
Eu mera mortal mãe de um lorde.
Alguém que abriga os mais puros sentimentos,
que não fere, mas cura as feridas,
perdoa o que se imagina imperdoável,
simples em seu comportamento elegante,
do tipo que abre portas para a “lady” passar,
que oferece rosas e lembra de datas especiais
presenteando com seu doce sorriso
e afago de mãos carregadas de carinho.
Que vê tudo como realmente se apresenta,
sem fantasias mantém os pés no chão, mas,
não deixa de lado seus sonhos sem a luta necessária
à consecução de seus desejos.
Príncipes, são assim?
Suponho que sim, porque príncipes são superiores
sem se imaginarem ser.
São bonitos, ternos e sábios.
Sensíveis encantam-se com o sol, com o belo, com a natureza.
São amáveis, tolerantes e justos.
Naquela primavera,
naquele 23 de setembro,
nascia um príncipe.
Príncipes não são imaginários como pensamos,
são de carne e osso,
apesar de saírem de contos de fadas,
cruzarem as florestas em seus cavalos brancos,
expulsarem as bruxas más
e com um beijo acordar princesas adormecidas.
Meu príncipe é real.
Meu príncipe tem sua princesa,
bem ao seu estilo,
única em sua vida.
Sua primeira namorada e
será para sempre,
também como nos contos de fadas,
o final será feliz
e viverão juntos para sempre.
Meu príncipe tem nome e sobrenome,
nome de príncipe,
de lorde inglês,
daquele que joga tênis,
escuta Bach e se delicia em suas paixões,
o nome dele tem como significado:
próspero, guardião das riquezas, riquezas do ser, da alma.
Eu o chamo ... meu filho
filho do amor, da paz.
Príncipe de minha vida.
Estarei ao seu lado
todos os dias
até a eternidade...

por Lu Barros

5 comentários:

Dudu disse...

MÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃEEEEEE,
Obrigado... adorei o que você escreveu, muito bonito.

Não vou esquecer

Dudu disse...

MÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃEEEEEE,
Obrigado... adorei o que você escreveu, muito bonito.

Não vou esquecer

Marina Sabino disse...

tb achei lindo mãe
Teu blog é o melhor na internet!!
uhauhahu

Ezabel disse...

Estou emocionada... Que coisa linda!!! Gostaria de te dizer que entendo exatamente as tuas palavras, pois também tenho meu príncipe perto de mim. Simplesmente, amei.

Nana Barros disse...

eu chorei, chorei e chorei....
ele é isso tudo mesmo e mais um pouquinho..., mana eu amo teu filhos muito.

Qdo eu crescer tb vou escrever assim igual a tu para meu Iago e minhas meninas Lua e Mel.

Bjos